Torta trufada de chocolate com frutas vermelhas

11138647_945865948790852_354798407405749873_nE aproveitando os 10 anos de aniversário de casamento (sim, 10!!!), resolví fazer uma torta que é sucesso, sempre.

E já que aqui no Chile a gente consegue encontrar toda a variedade de frutos vermelhos, não pensei duas vezes nela, a famosa torta de chocolate com frutos vermelhos.

Ingredientes:

Massa:

200 g de biscoito amanteigado de chocolate
3 cls de manteiga sem sal derretida
1 cl de água fria

Recheio:

200 g de chocolate ao leite
200 g de chocolate meio-amargo (usei um 60% de cacau)
1 caixinha de creme de leite (usei light, mas não vai fazer a mínima diferença rsss)
2 cls de licor de sua preferência (desta vez usei vodka Absolut Berries)
30 gramas de manteiga sem sal, derretida,
1/2 caixa de morangos lavados.

Cobertura:
Morangos, frambuesas, mirtilos, groselhas
2cls de sopa de geléia de qualquer fruta vermelha

Modus Operandi
Triture os biscoitos em uma processadora ou liquidificador (na processadora fica mais fácil retirar depois), adicione a manteiga e a água até formar uma ‘farofa’ úmida. Forre o fundo e as laterais de uma forma desmontável de 20cm de diâmetro e leve ao forno pré aquecido por 10 minutos. Retire e reserve.

Para o recheio… Derreta todos os ingredientes do recheio (exceto os morangos) em banho maria, mexendo de vez em quando até homogeneizar (também pode usar o microondas, mas eu prefiro o banho para garantir que o chocolate não queime). Deixe esfriar e reserve.
Quando tudo estiver frio, adicione a metade do chocolate e espalhe. coloque cuidadosamente os morangos na forma e em seguida cubra com o restante do chocolate. Leve à geladeira por cerca de duas horas ou mais e, perto da hora de servir, derreta as duas colheres de geléia, espalhe sobre a torta (que deverá estar firme), e decore com as frutas.
Cuidado… é muito adictivo!
=D
Anúncios

Comendo fora em Santiago (parte II, Italianos)

Quem quer comer comida italiana de boa qualidade aqui em Santiago, com certeza não vai morrer de fome.

A cada semana abre um bom restaurante, com uma boa carta e menu de tirar o chapéu.

Aqui, deixo três dicas, para programas distintos, na mesma faixa de preço.

Le Due Torri – Borde Rio, Providencia e Costanera Mall

IMG_0082Dos três, é o mais badalado, em três endereços, sendo que a minha escolha é o do Borde Río. O de Providência é o mais antigo e, o do Shopping Costanera, o menos melhor rsss. Já perdí as contas de quantas vezes fui e sempre, SEMPRE, saí satisfeita com meu prato (sempre escolho algo novo). A especialidade da casa é a enorme seção do menu dedicado às pastas de fabricação própria (o chef fica dentro de um “aquário” recheando raviólis e panzottis e fazendo a alegria da criançada). A carta de vinhos é bem ampla e, todos os garçons estão aptos a harmonizar o seu pedido. Os pratos normalmente são BEM caprichados e, se pedirem entrada, dá para dividir entre duas pessoas, tranquilamente. As sobremesas também são muito boas, mas estas eu não divido! Não dá para recomendar UM prato, mas vou tentar… O  fetuccini blanco y negro com molho de vodka e centolla; Spagheti al fileto (com molho de creme fresco e vinho e tirinhas de carne); Risoto do bosque (com três tipos de cogumelos) ou o filé Due Torri, com molho de blueberries e bacon. Muito, muito bom!

Amicci – Av. Apoquindo, 7741 – Las Condes

10687028_870993726267161_5861385132624415149_nRecém remodelado em Las Condes, esse restaurante vem de uma família tradicional da gastronomia italiana no Chile. Fomos pela primeira vez com uma amiga e crianças e saímos muito, MUITO satisfeitos. Vários ambientes, decoração clean e garçons super atenciosos sempre atentos. Pedimos uma entrada-degustação de presuntos italianos e Grana Padano com mel de humo, maravilhoso. De prato principal, meu marido pediu uma costela ao vinho, com polenta; eu pedi um gnocchi de espinafre com queijo mascarpone, nossa amiga um ravioli de caranguejo com funghi e, um prato de fetuccini al fileto para comprartir entre as crianças. MARAVILHOSO. Mesmo. De sobremesa, pedimos um trio degustação, com Panna Cota, torta mil-folhas de doce de leite e tiramisú. Pergunta se queremos voltar? =)

Emporio Armani Café – Shopping Parque Arauco

armani1Não se deixe enganar pelo nome e localização deste pequeno restaurante/café. Está no chamado Distrito de Luxo do Parque Arauco e é, sem dúvidas, o melhor para um jantar com amigos ou uma parada para uns drinks. Também está na lista dos restaurantes que sempre regresso e nunca me arrependo. Recomendo os risottos (frutos do mar para quem curte as conchinhas, funghi para quem, como eu, não.) e também as pastas com seus molhos super elaborados. Ainda não tive oportunidade de pedir as carnes, mas o que vejo sair da cozinha me deixa com água na boca. Uma outra pedida, aqui, é chegar no fim de tarde, depois de fazer compritchas no shopping, pedir um dos driques a base de champagne, uma cerveja beem gelada (radidade em Santiago) ou apenas um café e relaxar de frente para a praça de alimentação externa do mall.

Em um outro post, vou falar de carne.

Sim, não sou a melhor referência em mariscos, mas tenho algumas dicas também rsss

=)

E há atividade na cozinha!!! * Receita *

Feriado muito (MUITO) frio, chuva, granizo e uma vontade de comer algo diferente…

Pastel de banana, brigadeiro, bolo de cenoura, cocada, coisas do Brasil, sabe? É que aqui não é lá muito fácil encontrar doces brasileiros então, quando a vontade bate, vem com força! E não há Lindt que resolva 😉

Então, depois de muito fuçar a despensa, encontrei um pote de pasta de amendoim low-fat pelo qual ninguém aqui se apaixonou, quase fazendo aniversário, olhei pro lado e ví duas bananas com a casca marrom e… Santa Nigella! Lembrei dos cupcakes de pasta de amendoim! Mas, não tinha forminhas de cupcakes e resolví criar um bolo.

Bolo de Banana com Pasta de Amendoim!

O bolo

O bolo

Ingredientes:

1 1/2 xícara de farinha de trigo

1 colher de sopa de fermento

8 cls sopa de açúcar

1 pitada de sal

1 ovo

1 1/2 xícara de leite

4 colheres de sopa bem cheias de pasta de amendoim

2 bananas amassadas

1/4 xícara de manteiga derretida

Forma de bolo inglês, untada com manteiga e farinha.

 

O “modus operandi” é o básico… Juntar os ingredientes secos, peneirados, adicionar os líquidos, mexer com um fouet ou colher de pau até ficar bem homogêneo e, em seguida acrescentar a pasta de amendoim e dar uma outra mexida para incorporar – não homogeneizar, apenas incorporar tá?

Se você quiser um bolo mais light pode troca a farinha por farinha integral, leite desnatado e pasta de amendoim light/low fat/ sugar free. Como não tinha farinha integral, ficou semi-light!

Coloquei na forma de bolo inglês, por ser a menor, e assei em forno médio por 40 minutos.

Ficou melhor que a encomenda e, ajudou a esquecer dos sabores do Brasil por algumas semanas!!!

 

E agora é só esperar o frio chegar.

 

=)

UPDATE – Bolo de chocolate branco com recheio de berries

Esta receita resolvi fazer para o aniversário de meu tio, domingo passado.

Bolo de Chocolate Branco com recheio de Berries

Massa:
5 ovos
150 g de açucar
150 g de farinha de trigo
75 g de chocolate branco ralado
licor para umedecer (usei Cointreau)

Recheio:
400 g de frutas vermelhas diversas (usei, mirtilo, morango e amoras)
200 g de chantili (usei o da Ecila, muito bom)

Cobertura (ganache de chocolate branco)
300 g de chocolate branco (usei 400)
300 g de creme de leite fresco
4 cls de licor de sua preferência* (usei Cointreau)

Mãos à obra

Untar duas formas redondas de 25cm de raio, com papel manteiga também untado. (É importante para que na hora de desenformar a base fique durinha e sem descascar)

os bolos já assados

os bolos já assados

Bater os ovos e o açúcar na batedeira, até obter um creme esbranquiçado, que caia em piques grossos da pá da batedeira. Peneirar a farinha sob o creme, adicionar o chocolate e misturar tudo com um fouet. Não use a bateteira, para não tirar a textura do creme.

Despejar a massa nas duas formas e assar até que o bolo fique dourado, ou que passe no teste do palito. Se você não tiver duas formas, pode fazer numa de cada vez, sem problema algum, só espere o outro bolo estar pronto e frio para os trabalhos, já que a massa é muito fina.

p1020025

Enquanto o bolo assa, pique os morangos e dê uma ligeira amassada nos demais com um garfo. Faça o chantilly.

Quando os bolos esfriarem, corte-os ao meio com uma faca ou com um ‘garrote’ e começe a montagem. Primeiro, fure cada superfície com um garfo, e pincele com o licor de sua preferência. Usei o Cointreau por ser de frutas. Pincelei todas as 4 superfícies antes de colocar o recheio.

p1020026Divida o recheio em três partes iguais e coloque primeiro o chantilly, depois as frutas, até que a última camada do bolo esteja ok.

Prepare a ganache, de maneira tradicional, e espere esfriar um pouco até começar a cobrir. Dá para ver pela foto que eu ainda tentei cobrir com a ganache ainda morna e com a consistência bem cremosa.

Termine a montagem, deixe o bolo na geladeira por pelo menos 2 horas antes de servir.

O resultado final é um bolo de massa super fina, bem molhadinho e de sabores contrastantes: o docinho da massa de chocolate branco, com o azedinho das frutas vermelhas…. Vai com fé, vale a pena o trabalho.

Finalmente, uma foto do bolo!!!

Finalmente, uma foto do bolo!!!

 

Jantarzinho para mamãe

Aqui estão as receitinhas que fiz para o jantar da mamãe, ontem.

Na verdade, o prato principal foi aquele Talharim com rúcula e camarão que fiz em meu aniversário de namoro, mas dei uma inovada na entrada e na sobremesa:

Entradinha: Tomates cerejas recheados.

022308210033-00.jpg

Mais fácil, impossível: Peguei duas caixinhas de tomates cereja, cortei os tampos, retirei as sementes e recheei com cream cheese temperado com alho e ervas e outra metade com uma pastinha de cebola. Delícia, e não tão calórico. Dá um pouquinho de trabalho, retirar as sementes, mas vale a pena, o sabor e o visual são tudo!

Sobremesa: Estrogonoffe de nozes com ganache (adaptação da receitinha que a Greice nos deu, há algum tempo e que está sempre presente)

dsc01119.jpg

Levei ao fogo brando uma lata de leite condensado, uma colher de sopa, de manteiga e 250g de nozes grosseiramente picadas. Fiquei mexendo até começar a soltar da panela, acrescentei meia caixinha de creme de leite e misturei até ficar homogêneo. Ainda morno coloquei em copinhos de cachaça e deixei dar uma esfriada. Com a outra metade do creme de leite e uma barra de chocolate meio amargo que estava dando sopa na geladeira, fiz uma ganache e acrescentei duas colheres de sopa, de rum. Acrescentei aos copinhos e ainda decorei com metades das nozes que sobraram. Rendeu 12 copinhos de cachaça e só sobraram os cinco  quatro aí de baixo para contar história…

Ainda tive ânimo de fazer para a sobremesa do churrasco um delicioso pavê tipo charge, cuja receita peguei no Rainhas do Lar, igualmente delicioso, mas com algumas modificações!

Pavê tipo Charge

dsc01070.jpg

1 lata de leite condensado
1 embalagem de pudim sabor caramelo
1 saco de amendoim inteiro torrado sem sal (usei aquele que se compra para cobertura de sorvete)
1 barra de chocolate meio amargo
1 caixa de creme de leite
1 pacote de biscoitos Maria, Maizena ou Leite (usei os de leite maltado, aquele com a vaquinha na embalagem)
1 xícara de guaraná para molhar os biscoitos.

Modo de preparo:
Colocar o leite condensado o pudim e uma colher de manteiga na panela, até começar a soltar do fundo. Acrescentar meia caixa de creme de leite e o amendoim (não coloquei o amendoim) e deixar esfriar. Montar o pavê da forma tradicional: uma camada de biscoito embebido em guaraná, creme e amendoim (ha há, coloquei o amendoim à parte), até terminar. Fazer uma ganache com o chocolate amargo e o restante do creme de leite e colocar por cima, decorando com raspas de chocolate ou amendoim.

Como fiz em um pirex alto, ele ficou baixinho, nada bonito, mas MUUUITO GOSTOSO.

Depois ninguém entende porque eu não consigo doar gramas para a pafs, né?

Outback Style bread (Pão australiano)

Quem já teve o prazer de conhecer o restaurante Outback, com certeza já foi apresentado ao famoso Pão Australiano, escuro, de sabor levemente adocicado, que acompanha as saladas da casa.
Eu sou completamente apaixonada por ele e, desde que começei a cozinhar ‘de verdade’, com receitas mais elaboradas e caprichadas, arriscando-me até no universo de massas e pães, começei a procurar esta receita, até que, encontrei no blog delicioso da Cinara.

Não é um pão fácil de se fazer, mesmo na máquina de pães. A massa é muito molinha, cresçe muito para os lados e, precisa de forminhas individuais para cada pão. Como eu estava doida de vontade de fazer o pão, fiz as bolinhas na mão e coloquei para assar. Os pães ficaram baixos, ‘espalhados’ para o lado, mas deliciosos.

dsc00932.jpg

Segue a receita, para máquina:

Pão Australiano (tipo Aussie Bread do Outback)Versão Atualizada

  • 1 1/4 xícara de água morna
  • Corante alimentício marrom (opcional)
  • 2 colheres (sopa) de margarina
  • 1/2 xícara de melado
  • 1 3/4 xícara de farinha de trigo
  • 1 xícara de farinha de trigo integral
  • 1 xícara de farinha de centeio
  • 2 colheres (sopa) de chocolate em pó
  • 3 colheres (sopa) de açúcar mascavo
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 colher (sopa) de glúten – não usei
  • 1 1/2 colher (chá) de fermento biológico seco
  • Fubá para polvilhar

Na máquina de pão, misture 60 gotas de corante marrom à água morna, e em seguida acrescente todos os demais ingredientes (menos o fubá), na ordem acima. Ligue no ciclo “Dough” (Massa). Quando o ciclo terminar, remova a massa e separe-a em 6 partes iguais.

Modele de 4 a 6 pãezinhos de cerca de 12cm de comprimento e 5cm de largura. Polvilhe uma superfície com fubá. Umedeça as mãos, passe-as levemente sobre os pãezinhos e passe-os no fubá. Coloque-os em uma assadeira, cubra com um pano e deixe crescer durante uma hora.

Pré-aqueça o forno a 180° C. Leve os pãezinhos crescidos ao forno e asse por 35 a 40 minutos, ou até dourar. Tire do forno e deixe-os esfriar por 15 minutos. Sirva com manteiga “de verdade”, gelada ou amolecida.

Observações importantes:

1) A massa ainda sai da máquina um tanto molinha, mas com um pouquinho mais de farinha é possível modelar os pãezinhos sem deixar a massa dura demais.

2) Os pães não chegam a dobrar de tamanho durante o crescimento dentro das fôrmas. Mas não se preocupem: dentro do forno eles crescem que é uma beleza!

É mooooooito bom!!!

Quem não tem máquina, pode fazer a receita seguindo as massas tradicionais: farinhas com o fermento em pó, buraco no meio, ingredientes úmidos, demais secos, sovar e descansar, sovar e descansar.

Vale a pena o trabalho, garanto!

Desastre culinário

Domingo recebemos amigos em casa, para almoçar e, como estou firme e forte na campanha “Doe alguns quilos para a Pafúncia“, apostei numa saladinha de rúcula com tomate e queijo minas; uma massinha com molho pesto (que só provei) e, de sobremesa o teoricamente delicioso Souflé de Goiabada com Catuiry, receitinha da Flávia Quaresma.

Ingredientes Souflé
• 425g de goiabada pastosa
• 8 claras de ovo
• 1 pitada de sal.Calda de Catupiry

Ingrediente para a calda
• 410g (1 embalagem) de queijo catupiry
• 350ml de leite

Como fazer
Bater as claras em neve (adicionar o sal quando as claras começarem a subir). Aos poucos, juntar a goiabada. Bater até misturar bem. Observação: Caso deseje utilizar goiabada dura, colocar a goiabada picada com um pouco de água em uma panela e levar ao fogo, mexendo sempre, até adquirir consistência pastosa. Dividir o souflé em tigelinhas próprias para souflé e levar ao forno para dourar.

Calda
Misturar o catupiry e o leite e derreter em banho-maria. Mexer bem. Servir a parte.

Fiquei muito decepcionada com a receita. Fiz direitinho e achei muito sem graça, pesada, nada fofinha como nas fotos… Não sei se foi por ter usado uma deliciosa goiabada caseira que uma amiga queridíssima trouxe de Minas, ou se foi por estar de dieta e não poder me deliciar à vontê com a sobremesa, mas fiquei decepcionada e detesto quando isso acontece…

Já ví que o meu forte, é o Suflé de Nutella mesmo rsrsrs