Love Your Body Day

0814-lizzie-miller_vg

Lizzie Miller

Eu não sou muita adepta às blogagens coletivas.

Várias vezes me programo para escrever algo, faço um rascunho mas na hora de publicar acho que sempre poderia ter feito melhor e acabo desistindo.

Hoje, é o LOVE YOR BODY DAY (Dia de amar o seu corpo), e várias blogueiras estão engajadas em passar adiante a idéia das mulheres se aceitarem como elas são.

Um post maravilhoso está no blog da Patrícia, vale ler.

Desde que me conheço por mulher, vivo numa constante batalha contra a balança. Seja por estética, seja por cobrança ou por mim mesma. Já fiz dietas malucas, dietas-relâmpago, tomei ‘bolinhas’, enfim, já fiz de tudo, emagrecia, ficava quase magérrima e depois de um certo tempo, por descuido e ajuda de uma tireóide preguiçosa, voltava a recuperar peso.

Moro numa cidade em que o culto ao corpo chega a ser exagerado. Onde existem lugares na praia para os ‘perfeitos e sarados’ em que, pessoas não tão priviliegiadas ou em forma, recebem olhares como se fossem ETs. Meninas de 13, 14 anos já frequentam academia, nutricionistas e algumas já fazem até lipos ou injetam silicone em bumbuns e panturrilhas.

Mais uma vez me perdi na linha de raciocínio, mas gostaria de comentar sobre a revista Glamour, que, numa de suas edições, colocou a foto de uma modelo com barriguinha (humana, diga-se passagem) e as leitoras da revista se dividiram entre apoiar a iniciativa da revista e a repulsa, indignadas com a figura de uma mulher normal, ilustrando uma matéria.

Sou mãe de uma menina, neta de alemães e, já com 3 aninhos, ela apresenta o biotipo grandão. Ela não é gorda, longe disso, mas é grandinha, ‘pesada’. E isso me preocupa, pois também sempre fui grandona e, olhando para trás, várias vezes que resolvi fazer dieta para emagrecer, era porque me olhava no espelho e sempre me via (e ainda me vejo) como uma mulher gorda, mesmo não estando e, não quero isso para a minha filha.

Mas também não sei como evitar.

Quem disse que seria fácil?

Anúncios