No reino da fantasia

Eu nunca imaginei que, com 3 anos de idade, a Ciça iria ter argumento para absolutamente TUDO que se conversa com ela.

Num assunto novo, do qual ela não tenha conhecimento, ela até presta atenção quietinha, absorve o que lhe é dito para logo em seguida começar a falar, perguntar, os olhinhos azuis vidrados na gente, prestando o máximo de atenção nas respostas.

A hora de dormir tem sido alternando noites de muitas brigas para ir para cama com outras super tranquilas, em que eu até me espanto da obediência. Geralmente, as brigas são com o pai, do tipo: “Não quero dormir com você, você não é menina, quero dormir com a minha mãe, ela é minha amiga.” E não adianta ele dizer que também é amigo, que é pai, isso ou aquilo, ela só quer dormir com a amiga dela, eu. Claro que ele não se rende e insiste até que ela esqueça e apague.

Sábado mais uma vez fomos só nós duas fazer programa menininha e, aproveitando que o Papai Noel chegaria em um outro shopping, lá fomos conferir o bom velhinho. Sucesso total, depois de alguns minutos na fila, ela conseguiu conversar com o Papai “Nôuel” e, depois de pedir uma infinidade de presentes (haja Papai Noel para tanto presente) ela disse que iria dar para ele, em troca, as chupetas. Estava tudo muito bem até que ele pediu para que ela desse uma chupeta naquele momento. Aí o tempo fechou. Foram vários minutos de cara pensativa, e, o principal, ela não estava de chupeta naquela hora!!! Ficamos de retornar um outro dia para ela entregar pelo menos uma das três que estão em casa. Ah, sim… a lista de presentes inclui ‘Moon Sand’, o forno da Moranguinho, o tênis-dinossauro (!!!), os cavalos da Barbie veterinária, e para minha surpresa, trocou o Polly com dois golfinhos pela que vem com dois pôneis. Quando perguntei o porquê, ela se virou para mim, com a cara mais paciente do mundo: “Mãe, mas eu já tenho o golfo e a golfa, não preciso de mais golfinhos”. Ah, ok….

Sexta-feira, dia de ballet e, a lesada aqui só colocou um pé da sapatilha na bolsa. Quando fui buscá-la na creche, ela vem me recepcionar de mão na cintura, carinha de braba:
“Mãe assim não dá, você esqueceu a minha sapatilha!”
Sorry, filha.

Domingo fui remover o emalte vermelho das unhas, e ela ficou um tempo quietinha, me olhando. De repente começou:
– Mãe, por que você está tirando o esmalte vermelho?
– Você não gosta de vermelho?
– Mas por que você está colocando o branquinho?
– Posso colocar em você?
– Pinta a minha unha também?
– Quando eu crescer muuito posso pintar a minha unha de vermelho? E de azul? E de rosa?

No canal infantil que ela assiste, passa um desenho chamado ‘Garota Super Sábia’, que ela adora. Ontem estava passando uma chamada do desenho e quando olho para ela, lá estava de pé, fazendo os trejeitos da menina: primera pose, mão na cintura, cara de má, queixinho levantado. Depois, um jeito peculiar de abrir os braços na tradicional demonstração de ‘muque’, e ela imitando direitinho, é de chorar de rir!!! Lógico que em seguida ela reforçou que queria uma roupa rosa, com cinto preto e uma estrela amarela no peito. Ok….

Aliás o quesito  ‘fantasia’ é um capítulo a parte, para ela. Eu fico impressionada de ver como ela fantasia mesmo sobre personagens, bichos, princesas e heroinas, fazendo mímicas, gestos e trejeitos e incorporando de tal modo, que chega a nos chamar pelos nomes dos respectivos companheiros, é uma delicia!

E eu nunca sei quem eu vou ser, claro. Ontem acordei como mamãe Jumbo (a mãe do Dumbo, hahahahaha, tudo a ver). Hoje acordei mãe da Ariel e cheguei na escola como Sebastião. É uma delícia!

Aliás, é tudo uma delícia!

Boa semana, folks!

Anúncios