Mais da Ciça

“Ajudando” o pai a fazer as malas, ontem:
– Pai, eu sou gente fina, né?

*   *   *

Ao se deparar com um rapaz cadeirante em uma festa de aniversário:
– Tio, qual é o seu avatar?

*   *   *

Depois que a mandei arrumar o quarto pela ziolionésima vez:
– Eu só trabalho nessa casa!!!

*   *   *

Querendo convencer o pai a trocar um chocolate Baton quebrado por outro inteiro:
– Mas pai, eu não gosto de chocolate quebrado, você não está entendendo!
– Ciça, você já comeu chocolate demais hoje!
– Pai, você não me faz feliz! Ninguém me faz feliz! Droga de chocolate quebrado!

*   *   *

Depois de um dia inteiro sumido, o Rhino apareceu, no meu banheiro. Consegui pega-lo e devolve-lo a gaiola, mas sem que a Ciça percebesse (ela estava dormindo). Dia seguinte, ela dá de cara com o Rhino na gaiola e começa a conversar com ele:
– Rhino, sou eu, sua mamãe humana! Você não virou estrelinha, que bom! Mas ai, ai, ai, não foge mais que eu fico muito triste com você! Eu, a sua vovó humana, seu vovô humano, todo mundo fica preocupado e triste com você!

*   *   *

Ao ver as fotos do Disney on Ice em meu notebook:

– Mãe, imprime esta foto para mim? Quero colocar na minha caixinha (porta-retratos).

*   *   *

Beijos e ótima semana procês!

Randômicas

– Mamãe, me ensina a fazer bolabarismo?

Ciça, quer assistir o DVD da Bela e a Fera em inglês? (Só tenho o Zona 1).
– No, thank you, mommy. (como assim???)

Após muita negociação, acabamos dando para a Ciça um hamster, o Rino (em homenagem ao desenho do Bolt, Supercão). Gaiolinha, rodinha, casinha e bichinho em casa, começou o estresse… Primeiro, a Ciça me mostrou o seu lado Felícia. É um tal de abraçar, pegar e aprertar o hamster que fico até com medo. Ele, lógico, está apavorado. Logo no primeiro dia, eu estava tomando banho quando escutei uns guinchados agudos e pensei na mesma hora: Ciça tá esganando o bichinho. Menos, menos. Ela estava com as mãos do lado de fora da gaiola com as mãozinhas na grade, mas nem de longe ameaçando a segurança do Rino – e o bicho gritando à beira da histeria… depois descobrimos tardiamente que ele é notívago. É só a gente apagar as luzes que ele começa a brincar, roer, correr na rodinha. Leeendo. Agora ele começou a morder. Me morder, claro. Eu não deixo a Ciça  ficar sozinha com ele. Ou seja, a escolha não foi das melhores, infelizmente. Seria o caso de trocar o bichinho por um outro mais dócil? Ou é assim mesmo, a fase de adaptação dura mais que uma semana?

Ainda sobre a festa de aniversário:
– Mamãe, eu mudei de idéia, a minha festa de aniversário vai ser da Princesa e o Sapo, eu vou me fantasiar de Tia Ana.
– Tiana? O nome dela é Tiana, não é?
– Isso,  Tia Ana!
– Tá bom, mas, Ciça, ela é mulata, tem a pele marrozinha e você tem a pele branquinha, como a gente vai fazer?
– Ah, não sei… vou me pintar!
– Mas Ciça, imagina o trabalhão… pintar você toda de marrozinha e você vai ter que ficar igual a uma estátua, paradinha porque não poderá abraçar, beijar ninguém e também não pode se encostar em nada!
– (Pensativa) É mesmo. Eu posso só usar o vestido da Tia Ana, então?
– Pode, claro. Mas e o sapo? Vai ter sapo na festa?
– Já sei!!! Vou me fantasiar de sapa, ebaaaaaaaaaaaaa!!!!
– Ciça, e as pessoas que têm medo de sapo? Como ficam?
– Ah, eu aviso que o sapo é bonzinho, não vai morder ninguém! (Silêncio, eu com cara de E AGORA???) Mããããããeeeeeee, tive uma idéia!!!
– (GELEI) Qual?
– Vamos fazer a minha festa de Cinderela na Casa do Sapo*, assim não precisa ter um sapo de verdade na festa!!!
– Tá, vamos ver.

Bon weekend, pessoas!

* Mr. Frog, um buffet infantil perto da minha casa

Acalanto

Quando eu era pequena, minha mãe cantava esta música para eu dormir.

Antes mesmo de engravidar, eu lembrava vagamente da melodia e, depois que a Ciça nasceu, “inventei” uma letra fofinha, para cantar para a pequena.

Durante a abertura dos Jogos Panamericanos aqui no Rio, a Adriana Calcanhotto cantou esta música que o Dorival Caymmi compôs para a Nana e, juro, começei a chorar de emoção ao ouvir a doce voz da Calcanhotto, cantando a música com a mesma paz que a minha mãe cantava para mim.

“Acalanto”, virou um clássico da hora de dormir, assim como “Valsa para uma Menininha” e uma outra “Menininha”, que desconfio ter sido inventada pela minha mãe =)

Acalanto

É tão tarde
A manhã já vem
Todos dormem
A noite também
Só eu velo
Por você, meu bem
Dorme anjo
O boi pega Neném
Lá no céu
Deixam de cantar
Os anjinhos
Foram se deitar
Mamãezinha
Precisa descansar
Dorme, anjo
Papai vae lhe ninar
“Boi, boi, boi,
Boi da cara preta
Pega essa menina
Que tem medo de careta”

Uma pena que o som não está lá essas coisas, mas a música é muito fofa!
Boa semana, pessoas

=)

Mais do mesmo – A hora de dormir

Noite dessas, depois de  trocentos argumentos para não ir dormir, eu resolvo me deitar com a Ciça na cama, para ver se ela se convence que realmente tá na hora de dormir e não tem escapatória.

– Mãe, conta mais uma história, por favor….
– Não Ciça, não confio mais em você. Você diz que é só uma, que não vai mais fazer pirraça, e depois não cumpre o que prometeu.
– Mas eu vou cumprir, mãe, prometo!
– Ciça você promete e depois não quer cumprir, fica chorando!
– Mãe, olha bem para o meu rostinho e veja se eu estou chorando, vê se tem chorinho* nos meus olhinhos! Não tem, não vou chorar, prometo!
– Ok Ciça, UMA história. Mas é só essa, tá?
– Oba!

*

*

*

Depois de mais uma briga com o pai, também por não querer dormir, lá vou eu render marido e tentar fazer com que ela durma.
– Ciça, por que você brigou com o papai?
– Ah, mamãe… Olha, eu queria dormir com você, mas aí ele disse que não era justo e que eu tinha que dormir com ele, e olha, eu falei que era justo sim, e ele disse que não, e eu disse que sim e aí eu começei a chorar que queria você…

*

*

*

Em sua cama, ela brigando com o sono e eu tentando acalma-la
– Mãe, não quero carinho nas costas, não. Não vou dormir, não insiste.

Boa semana, procês!

Bacci!

*Chorinho = Lágrima

Cecilhices

Após um feriado prolongado, vamos às muitas Cecilhices. Algumas recentes, outras, nem tanto, mas nem menos fofas/engraçadas!

Quarta-feira, foi a festa de aniversário da Malu, melhor amiga da Ciça. Desde o sábado anterior, quando saímos para comprar o presente (que a Ciça escolheu a dedo), o assunto virou festa de aniversário, claro.

Depois de 5 (CINCO) horas de festa, todos cansados e, o animadores já guardavam todos os brinquedos e nada da Ciça sair da área de animação, até que os tios começaram a apagar as luzes daquela área em especial. A Ciça pára, olha em volta e, meio que desapontada solta essa:
– O que será que aconteceu?
– A festa acabou, filha, eles já estão começando a apagar as luzes para irem para suas casinhas…
– Mas não pode ser, mamãe!!! Eu estou me divertindo muito!!!

(…) No carro, indo para a casa de meu primo, que também fazia aniversário, ela continuou:

– Mamãe, a minha festa não vai acabar NUNCA!!!
– Mas filha, chega uma hora em que todo mundo fica cansado,as pessoas querem ir para casa…
– Não, mamãe, mas não vai poder! As mamães vão falar que estão cansadas, tá na hora de ir embora, mas a porta vai ficar fechada, para ninguém sair, nunquinha!
– Mas Ciça, as pessoas tem que ir para casa dormir, quando o sono chegar.
– Mas o sono não vai chegar na minha festa, eu não vou convidar ele!
– Tá bom, a gente conversa depois.

.

.

.

– Meleca, eu não consigo fazer nada!
– Meleca, ninguém faz nada do que eu quero… é horrível!
– Ai, ai, ai, isso não pode estar acontecendo, mamãe!
– Mas isto não está certo!

.

.

.

Almoçando comigo, num restaurante, sexta-feira.

– Mãe, olha só, eu vou almoçar com você, mas não quero arroz, feijão, carninha, frango, batata, verdinho, cenourinha nem chuchu.
– E o que você quer almoçar, então?
– Macarrão, farofa, hamburguer, pizza e batata frita.
– Só isso?
– Hmmmmm, sorvete e coca-cola!

(Lógico que rolou uma loooooooonga negociação, uma longa conversa e quando a convenci a comer saudável, o prato dela demorou tanto, mas tanto, mas tanto, que acabamos, as duas comendo pizza – para alegria dela).

.

.

.

Ontem a Ciça fez sua estréia no teatro “de verdade” e nem preciso dizer que ela AMOU, né? Lógico que escolhi, para o debut, uma peça de fácil compreensão, light e muito, muito alegre. Após várias análises, escolhi “Os Saltimbancos”, de Chico Buarque. E ela adorou, claro.

– Mamãe, por que o nome do burrinho é jumento? (Ai, se ele escuta rsssssss)
– Nós gatos já nascemos pobres, porém, já nascemos ricos…

Agora é começar a economizar para a festa de aniversário sem fim rssss

Beijos e ótima semana!

Rapidinha…

Após um período em que deixamos a professora cortar a soneca da tarde na escola (o que fazia com que a Ciça apagasse assim que entrava no carro), ela começou a ficar irritadiça, brigona, tolerância-zero e, claro, sobrou para os coleguinhas. Após alguns dias de bilhetes na agenda e conversas com ela, decidimos permitir novamente a sonequinha da tarde, o que, melhorou infinitamente o comportamento dela na escola, mas, agora, lá em casa o sono só chega por volta das 22h…

Depois de uma das inúmeras broncas para dormir..

– Papai, olha só, você não é mais meu amigo.
– Quando eu crescer, do tamanho da mamãe, vou comprar um caro rosa e você não vai andar nele!

Passada a raiva:

– Papai, eu te amo. Você vai andar no meu carro rosa sim, mas atrás! A mamãe é que vai do meu lado.

*   *   *

Voltando da escola comigo, vovó e vovô e, noutra ocasião comigo e o pai, mas na mesma linha de raciocínio e assunto:

– Mamãe, a minha festa de aniversário vai ser linda! Todo mundo vai usar fantasia: as meninas de princesa e os meninos de príncipe. Todo mundo!!!

– E você, Ciça, qual vai ser a sua fantasia?

– De cavalo!!!!

– Mas, Ciça, cavalo é bicho, não pode ir a uma festa de gente… Cavalo é bicho, não é ser humano!*

– Tá bom… Mas, olha, tem o cavalo da Cinderela, do príncipe da Cinderella, da Branca de Neve, da Bela Adormecida, do príncipe Felipe, da Bela e a Fera, todo mundo tem cavalo!!!

– Mas Ciça, eles têm cavalos, mas os cavalos não vão dançar na festa, não comem, não brincam… cavalos são bichos.

– Tá bom.

– Qual vai ser a sua fantasia, afinal?

– Vou de Cinderela, com sapatinho de cristal!

– Mãe, olha, naquele papel da minha festa, eu quero todos os cavalos, tá?

– Que papel, Ciça? Os convites?

– Nããããão (exasperada).. Aquele papel, mãe!!! Aquele!

– Qual Ciça? Guardanapo? Toalha? Aquilo que fica atrás da mesa do bolo (painel)?

– Sim!!! Esse painel, ele tem que ter todos os cavalos, tá bom?

Então… agora, além de ter que bolar uma festa a fantasia, tenho que encontrar um painel de cavalos para a pecêsa…

Ai, ai… quem disse mesmo que seria fácil?

Por que?

– Por que nós somos humanos?

– Por que a estrela é prateada e não dourada?

– Por que o papai está viajando para Brasilia?

– Por que eu tenho que dormir cedo? Eu não quero descansar, quero assistir um DVDzinho só.

– Por que o sorvete derrete?

Por que eu amo tanto essas perguntas?

😉