Voltando a Mendoza

E quem diria que, após menos de seis meses, iríamos voltar a Mendoza/AR? =D

On the road

On the road

Aproveitando o aniversário de 5 anos de casamento de um casal super querido, fomos a Mendoza encontrá-los e, “reboca-los” pra Santiago. Mendoza pra mim, é como um deja-vu permanente. Sempre me sinto à vontade, é como se eu já conhecesse a cidade de muitas e muitas épocas atrás.

Desta vez, resolvemos ir de carro, sonho antigo de Amore. Saímos de Santiago às 9:30 da manhã e, a viagem foi super tranquila, com direito a várias paradas pela estrada, e, como da última vez, muitos cliques maravilhosos.

Chegamos a Mendoza à tarde e, almoçamos perto do Hyatt, o “nosso” hotel favorito EVER (aliás, acho que é o favorito de todos os hotéis que conhecemos, e olha que não são poucos).

À noite, jantamos no Ocho Cepas, (Calle Peru, 1192). Já o havíamos conhecido quando fomos a Mendoza, em Maio e, era uma escolha fácil, dava pra ir a pé e, estava na nossa lista de “vamos voltar!”. O restaurante fica numa rua tranquila, numa casa antiga, adaptada para virar restaurante. Enfim, vale muito a pena. Da primeira vez, comemos carne e, desta vez, optei por um raviole de abóbora com recheio de ricotta e nozes na redução de Malbec. DIVINO. Voltamos pro hotel, fizemos um pit-stop no Cassino e, de manhã, após o café, resolvemos voltar para Santiago. EXCELENTE escoha, diga-se de passagem.

Chegando na fronteira...

Chegando na fronteira…

Fizemos uma viagem tranquila e maravilhosa, paramos em Espallata, depois no Puente de Inca e, o tempo começou a fechar, temperatura despencar – saímos de 32 em Mendoza para pegar 2 na Fronteira… e, da noite pro dia, a estrada se encheu de neve. Pra resumir, ao contrário da entrada na Argentina, o controle para voltar ao Chile é super rígido, cuatro carros por vez, sendo revistados, cheirados pelos cães da Polícia de Investigaciones, e a neve apertando… Bom, ficamos quase duas horas parados esperando nossa vez, e, cinco carros após o nosso, a fronteira foi fechada para esperar a neve baixar.  😉

Foi ótimo, claro. Karime e Érico ainda não tinham tido contato com a neve e se esbaldaram. Ciça, já acostumada, não ligou muito, mas foi um tudo, encarar neve em Outubro!

Baixamos s cordilheira tranquilamente, e assim foi até chegarmos em Portillo, já com o sol brilhando novamente.

E dá-lhe de neve...

E dá-lhe de neve…

Foi uma viagem deliciosa, e recomendamos muito.

Lógico que iremos fazê-la mais e mais vezes!

Natal/RN

Pois é… retornamos de quatro dias de 100% de sol para encarar o caos que as chuvas trouxeram para o Rio de Janeiro, ontem e hoje…

Bom, vamos às fotos de Natal, né? rsss

Dia 1 – quinta-feira.

Amore teve que ficar trabalhando, então aproveitei o dia para ir à praia em frente ao Hotel, em Ponta Negra e curtir um dia com a Ciça. Depois almoçamos e fomos dar uma volta pela cidade.

À noite, jantamos no Camarões, o meu restaurante favorito EVER.

Dia 2 – sexta-feira

Acordamos cedo, para explorar a região Norte da Rota do Sol. Fomos ao Aquário de Natal, fizemos carinho num tubarão lixa, admiramos um pouco de nossa fauna marinha e depois seguimos para Jenipabú, onde passamos o dia na beira da praia.

Dia 3 – sábado

Fomos para Pirangi (o maior cajueiro do mundo, mas não visitamos o cajueir0 desta vez). Fizemos um passeio de barco pelos corais, onde pudemos matar a saudades de mergulhar. Depois, fomos até o mirante dos Golfinhos, relaxar tomando uma cervejinha enquanto os golfinhos se divertiam caçando. Voltamos para o hotel à tardinha, demos um tempo na beira da piscina e depois saímos para jantar, que ninguém é de ferro, lógico.

Dia 4 – Pipa

Se existem paraísos na Terra, com certeza Pipa está entre eles.

Não tem preço ficar deitada numa piscininha natural, com água a temperatura de 30º, brincando com a Ciça e Amore. Não tem preço almoçar num restaurante literalmente à beira da praia, ouvindo música ao vivo e vendo as crianças brincando no lençol d’água. Não tem preço escutar os gritos de alegria da Ciça ao sentar-se em outra piscininha no meio de um cardume de peixinhos coloridos… Com certeza, Pipa é um dos paraísos da Terra.

Vou ficar devendo as fotos de Pipa pois, com a chuvarada que está aqui no Rio, nem lembrei de descarregar as fotos da máquina…

Aguardem

Bjs